POA – B. Chuí

12/09, 112km: Porto Alegre até Osório – Nos perdemos para sair de Porto Alegre, a Av. Assis Brasil se bifurca e não há avisos. Depois, pegamos novamente a Freeway em ótimo estado, triplicada, com acostamento bem largo. Há um trecho perto de Osório, porém, que está em asfaltamento e o piche gruda em todas as partes imagináveis. Aconselhável fazer esse trecho a pé.

13/09, 60km: até Balneário PinhalEstrada com asfalto e acostamento até Tramandaí. Depois, regiões com asfalto e outras com paralelepípedo.

14/09, 75km: até BacopariEstrada de asfalto com acostamento ruim até Capivari do Sul. Depois, na Estrada do Inferno, asfaltada, com acostamento minúsculo e mato.

15/09, 123km: até TavaresNa Estrada do Inferno até Mostardas, trechos sem asfalto e trechos de asfalto esburacado. Depois de Mostardas, a estrada melhora e o tráfego quase não existe.

16/09, 138km: até Rio GrandeEstrada do Inferno em ótimo estado a partir de Tavares. O único trafego que existe é o de caminhões de tora, que, apesar de serem em número reduzido, são bem grandes. Para atravessar de São José do Norte para Rio Grande, é preciso pegar uma lancha ou o Ferry Boat. O preço da lancha é em torno de 2,50 para bicicleta.

17/09 a 22/09: estadia em Rio Grande, na Praia do CassinoExistem duas rodovias que ligam o centro de Rio Grande ao Cassino. Utilizamos a rodovia federal, que passa pelo Porto. A estrada é asfaltada e com acostamento pequeno. Alto tráfego de carros e caminhões. A estrada termina na praia, e a partir dali o trajeto tem que ser feito pela areia. Uma outra opção é entrar na estrada em frente ao terminal de contêiner, antes da rodovia federal acabar. Ela é asfaltada no começo e depois vira de terra até o Cassino.

23/09, 62km: até PelotasEstrada com acostamento horroroso na saída do Cassino, até a Br 392. A partir daí, asfalto e acostamento. A rodovia está em duplicação, com uns trechos bem ruins e alto tráfego de caminhões.

24/09: estadia em Pelotas – Passeio a pé.

25/09, 109km: até a Estação Ecológica do TaimRetornamos pela BR 392 até a Quinta. Na rodovia que vai para o Chuí, asfalto e acostamento ruim. Trecho com pouca civilização e muitos animais na beirada da estrada.

26/09, 146km: até Santa Vitória do PalmarA estrada continua nas mesmas condições que o outro trecho. Por 17km, ela passa na beira da reserva do Taim, uma parte muito bonita. Logo depois, cerca de 100km da Quinta, fica o primeiro posto de gasolina. Depois dali, mais 80km, tem outro posto e, 10km antes de Santa Vitória do Palmar, mais um. Existem poucos vilarejos no trajeto, mas sempre é possível avistar alguma casa próxima a estrada.

27/09, 40km: até Barra do ChuíA estrada continua nas mesmas condições. Entramos na praia do Hermenegildo, por uma estrada sem acostamento, com asfalto ruim e quase nenhum carro. Depois seguimos pela praia até Barra do Chuí, metade do trecho pedalando, metade a pé.

TOTAL: 865km

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s